PREMIADOS CONVOCATÓRIA PEF 2018

"TALHO"

ENSAIO FINALISTA DE LEANDRO SALLES

O câncer deixa marcas em suas memórias e corpo. As cicatrizes são dolorosas e podem abalar a autoestima de qualquer mulher — uma tortura física e psicológica. Ter uma cicatriz oriunda da doença, muitas vezes, acompanhada da retirada de parte do seio, no caso do câncer de mama, traz uma luta constante contra os julgamentos feitos pela sociedade e por si própria em razão de todos os estereótipos e padrões de beleza já enraizados na nossa cultura.

 

A premissa de que quem passa pela doença deve se dar por satisfeita e agradecer por estar viva, apesar de muitas vezes ser encarada como uma obrigação, nem sempre é o que ocorre. Ainda há quem se fortaleça com as marcas que carrega, não apenas as externas, lembrando de toda a força exigida nos momentos mais difíceis, mas, de algum modo, algum dia, essas cicatrizes também foram ou serão pesadas, e o que poderia se tornar uma marca vitoriosa, às vezes se torna símbolo de rejeição.

 

Ansiedade, insônia, desvalorização de si mesma, depressão e frustração são alguns dos muitos obstáculos diários pelos quais as mulheres traumatizadas pelo câncer vivem. As cicatrizes precisam de auxílio e paciência para que possam ser amenizadas, como também toda a dor e angústia vividas.